Crise econômica dispara audiência da TV aberta em todo o país. E…?

Crise econômica dispara audiência da TV aberta

Crise econômica dispara audiência da TV abertaFamoso colunista on-line deu destaque em letras garrafais para o crescimento da audiência da TV aberta em todo país. Motivo, segundo o jornalista, “é a crise econômica, que faz com que menos pessoas tenham posses e decidam sair para passeios (e gastar dinheiro) e fiquem mais em casa”.

E o jornalista ainda destaca: “Aparentemente há um setor da economia que pode comemorar a crise econômica instalada no Brasil nos últimos dois anos: a TV aberta”.

Não vamos nos alongar muito no assunto, informando números de crescimento das “principais” emissoras nominadas pelo colunista, pois não seria esse o nosso foco no momento. Vamos apenas tentar responder uma pergunta: se estamos em uma crise instalada há dois anos, se as pessoas estão cada vez mais “sem posses e decidem não sair para passeios (e gastar dinheiro)”, com isso ficam em casa assistindo mais TV, o que estariam comemorando as emissoras?

Pelo que entendo de comunicação, as emissoras sobrevivem das receitas comerciais. Elas podem ser realizadas através de vendas de espaços comerciais em breaks, vendas de cotas de patrocínios da programação normal, eventos e oportunidades de mercado.

Se as pessoas estão deixando de sair para consumir em restaurantes, entretenimento e lazer, para ficar em casa economizando dinheiro, para quem os anunciantes das emissoras de TV vão vender produtos e serviços? Eles vão aumentar as compras de mídia nas TVs abertas em função disso?

Penso, e é apenas uma opinião, que seria a mesma coisa que comemorar o acerto da perda de clientes nas planilhas de estimativa anual. “Olha que legal. Eu disse que iríamos perder X clientes esse ano, e acertei”.

Não digo com isso que os anunciantes devam deixar de se comunicar, que não existem oportunidades de vendas e negócios para quem descobrir novas necessidades do consumidor, que as empresas não precisam ser ágeis para se adaptarem a uma nova realidade de mercado e atraírem compradores para as lojas, que devemos parar de falar com o consumidor através das diversas plataformas de comunicação, sejam elas on-line ou off-line, que enquanto alguns choram outros “não” vendem lenços, etc.

Mas daí comemorar o crescimento da audiência à custa da queda do poder de compra do consumidor, acredito que é uma miopia de marketing.